Sara Winter e mais 5 presos são suspeitos de captar recursos para atos antidemocráticos

A Polícia Federal prendeu a ativista Sara Fernanda Giromini, conhecida como Sara Winter, e cumpre mandado de prisão de outras cinco pessoas investigadas por exercerem atos antidemocráticos, em Brasília, na manhã desta segunda-feira (15). A prisão foi autorizada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes.

Winter é chefe do grupo 300 do Brasil, de apoio ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido). O outros 5 que tiveram prisão autorizada pelo STF, também são ligados ao grupo. Segundo a investigação do caso, eles são suspeitos de organizar e captar recursos para atos antidemocráticos, e de crimes contra a Lei de Segurança Nacional.

O grupo 300 do Brasil se define como militância organizada de direita. Ele foi responsável por um acampamento montado na Esplanada no início de maio e desmobilizado no último fim de semana. Em uma entrevista à BBC Brasil, Sara reconheceu a existência de armas entre os ativistas.

“Em nosso grupo, existem membros que são CACs (sigla para Colecionador, Atirador e Caçador), outros que possuem armas devidamente registradas nos órgãos competentes. Essas armas servem para a proteção dos próprios membros do acampamento e nada têm a ver com nossa militância”, afirmou na ocasião.

Ao pedir o fim do acampamento, o Ministério Público do DF tratou o grupo dos 300 como milícia armada, o que é proibido pela Constituição.

Em abril de 2017, a ativista publicou na sua rede social uma foto ao lado de Jair Bolsonaro. Na época, Bolsonaro era ainda deputado federal.
No último sábado (13), integrantes do grupo 300 do Brasil participaram de ato em que manifestantes lançaram fogos de artifícios contra o prédio do STF. E, em 30 de maio, Sara chefiou uma manifestação com referências a grupos neonazistas e de supremacistas brancos americanos, na Esplanada dos Ministérios.

Em um vídeo gravado em frente ao STF em maio, Sara conclamou manifestantes a acamparem em frente à casa do ministro do STF Alexandre de Moraes. “A gente sabe onde o Alexandre de Moraes mora, a gente vai acampar lá na frente. Pessoal de São Paulo, saiam da Alesp [Assembleia Legislativa do Estado São Paulo], acampem na frente da casa do Alexandre de Moraes”, afirmou.

Depois desse vídeo, houve um ato em frente ao prédio em que o ministro mora, em São Paulo, e duas pessoas foram presas pelos crimes de desobediência, descumprimento de medida sanitária preventiva e incitação ao crime.

Renata Tavares, advogada de Sara Winter, chegou à superintendência por volta das 9h30 desta segunda-feira, e disse a ativista “está super tranquila”. “Como defesa, vamos impetrar um habeas corpus. Vamos lutar de todas formas porque estamos vendo que isso é uma prisão política”, afirmou.

Você pode gostar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *