Justiça condena Marcel por desvio de verba pública e suspende direitos políticos

A justiça condenou Marcel Nunes, da Prata, no processo de nº. 068.2012.000.666-0. Em decorrência disso, o mesmo está inelegível, e possivelmente, não poderá ser candidato nas eleições de 2016. Trata-se de Ação Civil Pública, promovida pelo Ministério Público da Paraíba, que denunciou fraudes na celebração de um convênio firmado entre o Banco Matone S/A e a Prefeitura Municipal de Prata/PB, no ano de 2006, que permitiu irregularidades em empréstimos consignados. Segundo a decisão judicial, houve um esquema de desvio de verba pública, de um lado o Prefeito, como mentor intelectual da fraude, que possibilitou a execução de todo o esquema, conforme registro na decisão abaixo:

AÇÃO CÍVEL PÚBLICA POR ATO DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA – CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS CONSIGNADOS. FALSIFICAÇÃO DE CONTRACHEQUES. FAVORECIMENTO DE AMIGOS E FAMILIARES. AUMENTO FRAUDULENTO DA MARGEM CONSIGNÁVEL. DETRIMENTO DO ERÁRIO. PROCEDÊNCIA DA AÇÃO.

1. A avença celebrada entre o Banco Matone S/A e a Prefeitura Municipal de Prata/PB não teria passado de acordo de cavalheiros entre o primeiro promovido e a Instituição financeira visando dilapidar o ente público municipal em seu benefício e dos seus mais próximos, utilizando-se, inclusive, de meios fraudulentos para conseguir tal intento, forjando contracheques de servidores para permiti-lhe margem consignável.

2. Trata-se, portanto, de um esquema de desvio de verba pública: de um lado o Prefeito, mentor intelectual da fraude, que possibilitou a execução de todo o esquema de desvio de verba pública, com os mutuários demandados que colaboraram ativamente para a fraude, e de outro lado, atua o próprio Banco Matone S/A, por meio de seus prepostos que celebrou os contratos com a finalidade de ilícito (aliás, houve celebração de contrato administrativo SEM LICITAÇÃO, com um Banco desconhecido e que cobra juros bem superiores ao praticado no mercado).

3. Atos de improbidade que lesaram o erário público municipal. Procedência da ação.
Dentre as cláusulas do mencionado Convênio, a de número 2.1. estabeleceu que o Município/Covenente obrigava-se a realizar descontos mensais na folha de pagamento dos beneficiários, bem como repassar os valores das prestações consignadas ao Banco Conveniado.

Para a execução da fraude, o Prefeito e os demais mutuários do convênio, declararam, falsamente, vencimentos líquidos, nos valores de R$13.000,00 e R$6.000,00 mensais, respectivamente. Ocorre que os subsídios brutos dos Secretários Municipais não ultrapassavam R$1.000,00, com exceção do Ex-Prefeito.

Segundo consta na decisão, a sentença prolatada pelo Juiz Dr. Aluízio Bezerra Filho, registrou-se: “Portanto, tendo em vista a amplitudes das lesões e a gravidade dos atos de improbidade, e diante da falta de zelo e inaptidão demonstrada pelo demandado em lidar com os bens e interesse públicos, deixando de licitar despesas sujeitas a esse procedimento, considere-o improbo, aplicando-lhe as sanções previstas na Lei de Improbidade Administrativa.

O Ex-Prefeito Marcel Nunes de Farias foi condenado ao ressarcimento ao Município de Prata, do proveito licitamente auferido pelos mesmos, a ser apurado em liquidação da sentença por artigos, (art. 475-E do CPC), correspondente ao valor do convênio irregular contraído, a título de empréstimo, desde a assinatura do contrato até a sua última parcela, bem como, condenado à suspensão dos seus direitos políticos pelo prazo de 08 (oito) anos, motivo pelo qual, possivelmente, não poderá concorrer ao cargo de prefeito, nas eleições de 2016.

Você pode gostar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *